Anuário nacional aponta crescimento do número de alunos do ensino básico em AL

Os índices educacionais sinalizam crescimento nas taxas de aprendizagem de Alagoas, bem como o aumento na quantidade de jovens matriculados nos ensinos fundamental e médio – o estado passou de 96% de alunos matriculados no fundamental em 2012 para 97,6% no ano passado; no ensino médio, subiu de 43% em 2012 para 57,3% em 2018. As informações foram divulgadas no Anuário Brasileiro da Educação Básica, do Movimento Todos pela Educação, publicado no último dia 25, com base nas metas do PNE (Plano Nacional de Educação).

“Todos os indicadores de Alagoas, no tocante à educação e não somente ao Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, o Ideb, estão melhorando. Temos tido maior inclusão, um dos destaques é o aumento na quantidade de pessoas negras e pardas alfabetizadas. No contexto geral, Alagoas está saindo de uma situação ruim, estamos reagindo, estamos evoluindo”, afirma Ricardo Lisboa, superintendente de Políticas Educacionais da Secretaria de Estado da Educação (Seduc).

O superintendente ressalta ainda a inclusão dos estudantes com deficiências em salas de aulas comuns. Em 2018, o estado atingiu a marca de 99,3% destes alunos dentro de turmas convencionais.

Avanços – A quantidade de jovens alagoanos de 19 anos que concluíram o ensino médio teve alto crescimento nestes seis anos: em 2012, somente 34,9% desta parcela da população terminou a Educação Básica. Desde então, a quantidade de concluintes saltou para 51,7% em 2018.

Em relação ao aumento da proficiência nas disciplinas, o anuário mostra o avanço das unidades federativas entre o IDEB de 2015 e 2017. Nos anos iniciais (1º ano ao 5º ano), Alagoas saiu da 24ª posição para a 22ª no ranking nacional da proficiência de Língua Portuguesa; na avaliação de Matemática, passou da 24ª para a 21ª posição.

Já nos anos finais (6º ano 9º ano), saiu da 24ª posição para a 22ª em Português e do 23º lugar na avaliação de Matemática para o 17º. O ensino médio também apresentou aumento no ranking nacional: em Língua Portuguesa, passou da penúltima posição (26ª) para a 22ª, e em Matemática, subiu duas posições (da 23ª para a 21ª).

Fazendo a diferença – A criação do Programa Escola 10 – transformada em Lei Estadual no fim do ano passado – foi importante ferramenta de melhoria do ensino básico em Alagoas: a parceria entre Governo do Estado e Municípios impulsionou o nível de aprendizagem dos alunos alagoanos e fez com que o estado alavancasse no ranking nacional.

O crescimento entre as duas edições da avaliação do Ideb também foi potencializado por iniciativas da Seduc, com reforma de 52% das escolas da rede estadual, construção de 54 ginásios poliesportivos e reforma de 19 quadras já existentes, assim como a implantação do Ensino Integral em 53 unidades da rede.

Ascom – 05/07/2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *